Morgan

Morgan

Morgan estava entediado. Não que sua rotina não fosse costumeiramente entediante como o são as de seus assemelhados, mas o tédio daquele dia lhe era particularmente enfadonho. O velho com quem dividia morada não saía da máquina de escrever havia quase dezoito horas....
Somos todos Yiannis Kouros

Somos todos Yiannis Kouros

  Em 1983, um produtor de batatas australiano de 61 anos decidiu que era hora de correr os 875 quilômetros que separavam dois shopping centers entre Sidney e Melbourne. Ninguém nunca tinha ouvido falar do sujeito, mas isso não o impediu de ganhar a ultramaratona,...
DESAVENTURADO

DESAVENTURADO

Quem gosta de futebol já deve ter ouvido falar do Bangu, simpática equipe da Zona Oeste do Rio, um clube de origens proletárias, que joga num estádio batizado de Proletário, cuja última glória foi também uma das únicas – o título carioca de 1966 – e que...
A PRESENÇA DA AUSÊNCIA

A PRESENÇA DA AUSÊNCIA

No dia 27 de agosto de 1983, o Fluminense derrotou o Goytacaz no Maracanã com dois gols de Assis.  A data talvez seja absolutamente desimportante para os demais torcedores do clube que tanto amamos, mas, para este escriba, ela foi uma epifania. Naquele dia,...
A gente sonha a vida inteira e só acorda no fim

A gente sonha a vida inteira e só acorda no fim

São raros os momentos de completo êxtase em nossa vida, e justamente essa raridade é que dá a devida importância a essas ocasiões. Sábios aqueles que sabem reconhecer esses instantes e o valorizam com a devida justiça. O futebol nos ajuda a identificar, reconhecer, e...
O BOMBEIRO E O PAPAI NOEL

O BOMBEIRO E O PAPAI NOEL

O BOMBEIRO E O PAPAI NOEL O PAPAI NOEL Já era tradição que, no último jogo da temporada regular do campeonato nacional de futebol americano, um membro da velha guarda da família Olivo comparecesse ao estádio vestido de Papai Noel. Por uma dessas peças que o Acaso (ou...
Deus está nas coincidências

Deus está nas coincidências

Você, raro leitor do 433, já reparou que os grupos do Whatsapp apresentam abrupta queda no tráfego de mensagens, vídeos, fotos e áudios assim que o horário comercial acaba e o caboclo vai para os domínios da patroa? Mas não é só o tititi dos dedos no celular e as e as...
O HOMEM QUE DECIDIU PARAR

O HOMEM QUE DECIDIU PARAR

Era a quarta vez, em menos de quarenta e dois minutos, que ele cruzava a linha do gol para apanhar a bola nos fundos das redes. Na primeira, logo aos oito, depois de pegá-la com tanta raiva que suas unhas quase ficaram cravadas na indefesa e indefensável bola,...